terça-feira, 21 de outubro de 2008

Politicamente eletrizados!

A busca por formas de combustíveis não poluentes está aumentando a cada ano. Com o aquecimento global, e outros males causados principalmente pelas emissões do dióxido de carbono na atmosfera, fazem com que os fabricantes de automóveis, busquem uma saída ecológica. Em cada Salão de automóveis, nas diversas cidades onde eles ocorrem, é constante vermos conceitos e protótipos com células de combustível. Quase sempre movidas a energia elétrica. O assunto nunca esteve tão em alta, e também nunca fora levado tão a sério como está sendo levado agora. Em 1996 a General Motors lançou um automóvel movido a energia em larga escala. O Saturn EV1(Electric Vehicle 1). Apesar de que ninguém o comprava e sim o alugava. O carro também só estava disponível nos estados do Arizona e na Califórnia, segundo a GM, por razões técnicas. Em 1999 inexplicavelmente o modelo deixou de ser produzido, os contratos não foram renovados e a GM recolheu todos os EV1 e os destruiu. O carro teria tudo para ser um sucesso ainda nos dias de hoje. O carro tinha uma autonomia, em média, de144 quilômetros com a bateria carregada. Com o ar-condicionado ligado esse número caía para 94 quilômetros. A bateria recarregava em três horas em uma voltagem de 220, em uma de 110 poderia demorar até 15 horas. O carro foi até tema de um documentário recente chamado “Quem matou o carro elétrico?” do diretor americano Chris Paine . Narrado pelo ator Martin Sheen (Apocalipse Now, The West Wing), o documentário aponta diversos possíveis assassinos da morte do EV1, dentre eles, as grandes empresas de exploração do petróleo e até mesmo o governo Bush. Mas o carro deixou marcas. Em 1999, mesmo ano que fora encerrada a produção do modelo da GM, a Honda lançou o Insight. Um compacto de dois lugares, e motor Híbrido. Esses motores também estarão nos futuros modelos da marca (veja postagem: http://mecanews.blogspot.com/2008/10/foram-reveladas-as-linhas-do-honda.html) .O carro ganhou em 2000, o prêmio internacional de motor do ano, e em 2001 além do premio de carro americano do ano. O Insight tem um motor 1.0 12v a gasolina, e foi projetado para gastar o mínimo de combustível possível. Tanto que segundo a EPA(Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos), o carro possui a melhor classificação em consumo de combustível entre todos os carros híbridos os mundo, 25,5 km/l (quilômetros por litro) na cidade e 28,0 na estrada. No seu encalço está o Toyota Prius, carro da gigante japonesa, que veio antes do híbrido da Honda, em 1997. Hoje está em sua terceira geração. Muitos astros de Hollywood, como o ator Tom Cruise (Top Gun, Guerra dos Mundos, Minority Report-A Nova Lei), possuem esse veículo. Nas primeiras versões, o modelo contava com um motor 1.5 a gasolina de 70 cavalos. O elétrico era fraco e desenvolvia só 30 cavalos de potência, isso fazia com que o motor a gasolina trabalhasse mais que o elétrico. Em sua segunda geração, de 2004, o motor teve a potência aumentada. O elétrico ficou com 67 cavalos. Esse motor era usado em baixas velocidades. Já o movido a gasolina ganho mais seis cavalos na potência e era usado em altas velocidades. O carro ia de 0 a 100 quilômetros em 11,3 segundos, e a média de consumo era de 25, 5 km/l na cidade e 21,6 na estrada.No último salão de Paris foi apresentada a nova geração do Insight, com mudanças no motor e na estética, além do tamanho, o carro cresceu e ganhou um par de portas traseiras. O carro promete ser o popular da categoria. Seguindo a linha dos veículos elétricos, o Salão de Los Angeles, que acontece em Novembro, também promete revelar os seus. O principal deles é o Mini E (de elétrico), carro da marca inglesa controlada pelo grupo BMW, que comportará apenas duas pessoas, o banco traseiro fora retirado para poder comportar as 5.000 células de bateria de íon de lítio. As bateria exigem a espera de, pelo menos, 2 horas e meia para serem carregadas e pesam 260kg. O que eleva o pesa do mini para 1.465 kg. O motor elétrico desenvolve uma potência de 150KW(quilowatts) ou 200cv, capaz de levado de 0 a 100km , em apenas 8,5 segundos. A autonomia do motor é de 240km, em média, e tem velocidade máxima de 152km/h com limitador de velocidade. Os carros elétricos desta vez virão com tudo, e nem os chefões do petróleo , nem governos poderosos vão poder barrá-los. Senão, levarão um choque dos ecologistas, na certa.


EV1: modelo elétrico da GM, que saiu de produção repentinamente e virou tema do documentário "Quem matou o carro elétrico?"






Honda Insight: o "sinal" de novos tempos para os carros híbridos deu-se em 1999...



... mas o novo Insight terá a proposta de popularizar os híbridos


Toyota Prius: atores Hollywoodianos entre os seus proprietários


Mini E: sem bancos traseiros para comportar baterias que o levam a 240km por carga

Um comentário:

lilian disse...

Lembro do Gurgel, primeiro elétrico nacional, produzido em Rio Claro - SP. A cidade tinha tomadas em toda parte. Mas não vingou. Isso na década de 80 do século passado.